Resenha: O Circulo Rubi (The Ruby Circle - Bloodlines #6) - Richelle Mead

31.8.15


 Depois de 7 anos acompanhando os personagens criados por Richelle Mead nas séries Vampire Academy e Bloodlines é triste aceitar que essa saga chegou ao fim e infelizmente terminou de um jeito completamente decepcionante.
 Essa resenha irá basear-se no último livro da série Bloodlines - The Ruby Circle ou O Circulo Rubi como ficou traduzido o título dessa obra aqui no Brasil ao ser publicado pela editora Seguinte (selo da editora Companhia das Letras). A série Bloodlines é um spin-off da série Vampire Academy ou Academia de Vampiro que no Brasil foi publicada pela editora Agir. 
 Com os famosos personagens de VA (carinhosa abreviatura para Vampire Academy), Bloodlines focou-se em Adrian, Sydney, Jill e Eddie como os "protagonistas", sendo toda a trama desenvolvida em torno do casal Adrian e Sydney (Nome do fandom: Sydrian) e os problemas enfrentados pelos mesmos ao tentar manter um relacionamento e ao mesmo tempo solucionar a enxurrada de problemas criados por Richelle Mead.
 A breve parte sem spoilers termina nesse exato momento, não tem como comentar esse livro sem estragar toda a série de VA e Bloodlines, portanto se você está lendo algum livro dessa saga ou ainda não terminou a leitura de The Ruby Circle não leia mais essa resenha, pois ela estará cheia de spoilers. Termine sua leitura e depois volte aqui para ler e compartilhar meus sentimentos com relação ao livro e a série em geral. 
 The Ruby Circle tinha tudo para ser um livro perfeito, na minha mente eu acreditava que Mead iria finalmente dar um desfecho para todos os problemas criados durante a série e posteriormente arrumar o relacionamento bagunçado de Sydney e Adrian.
 Depois de Silver Shadows (Sombras Prateadas) e aquele casamento apressado entre os dois protagonistas eu estava ansiosa para ver como eles iriam se virar vivendo presos na corte e ainda com a mãe do Adrian sob o mesmo teto.
 Nem vale a pena descrever o quanto eu fiquei meio irritada com essa história do casamento no livro anterior, sempre achei que Sydney e Adrian teriam um desfecho diferente e nunca em 7 anos de leitura imaginaria Adrian Ivashkov casando-se, porém respirei fundo e relevei o fato.
 Em Ruby Circle conseguimos comprovar o quanto essa ideia foi uma idiotice ao ver Adrian e Sydney presos na corte e brigando praticamente em todas as cenas, pois a ideia de um futuro feliz estava distante demais deles naquele exato momento já que Sydney não podia nem ver a luz do sol com medo dos Alquimistas levarem-na de volta para o centro de reeducação no qual ela ficou presa.
 Os ânimos só pioravam quando ambos lembravam que Jill estava sequestrada e ninguém conseguia fazer nada para ajudar a garota.
 O sequestro de Jill foi o "gancho" que Mead usou para finalizar o livro anterior e prender a atenção do leitor durante a leitura de Ruby Circle, porém esse fato da narrativa ficou extremamente cansativo já que a autora "esticou" esse problema até o final do livro, fazendo Jill ser resgatada faltando apenas umas 40 páginas para o término da obra.
 Sinceramente já estava cansada de ler sobre o conflito "mocinha sequestrada + plano de resgate" criado por Mead nos livros finais da série Bloodlines, simplesmente estava pouco preocupada com a Jill e achei desnecessário alongar a procura pela irmã de Lissa. A cada capitulo Sydney, Adrian, Eddie, Rose e Dimitri faziam alguma coisa absurda para encontrar uma pista do local onde Jill estava. Nem nos desenhos do Scooby Doo os personagens demoram tanto para resolver um caso.
 Falando dos absurdos enfrentados pela "gang" ao tentar resgatar Jill vamos ao caso Nina (Charlotte na versão brasileira) + Olive + Adrian. Nina era uma personagens secundária que também era usuária de espírito e teve sua irmã Olive "restaurada" de Strigoi para Dhampir por intermédio de seu poder. Em um momento de honestidade confesso que não lembro quem Nina ou Olive eram, não costumava me prender as histórias dos personagens secundários e não gostava da Nina já que ela beijou o Adrian em Silver Shadows, porém também relevei esse fato.
 Nina virou amiga de Adrian e começou pedir a ajuda do rapaz para encontrar sua irmã que após ter sido restaurada sumiu da face da terra. Como usuários de espírito ambos podiam encontrar os outros em sonhos produzidos por essa magia. Adrian, apesar de todos os protestos de Sydney reluta em abandonar essa magia que lhe esgotava e causava-lhe extremos efeitos colaterais, ajudando assim Nina a encontrar sua irmã nos sonhos.
 Toda essa história de sonho com a Nina me irritou e depois que Nina esgotou-se toda tentando falar com Olive no sonho, Adrian descobre que a irmã da garota estava grávida e resolve ir atrás da moça levando todo mundo com ele em um momento de "vamos esquecer a Jill e ir atrás da irmã de Nina que ninguém nunca deu importância".
 Olive estava em uma comunidade de vampiros, pois ninguém poderia descobrir que ela estava grávida de Neil um Dhampir com quem a moça teve um romance, já que Dhampir com Dhampir não podem ter filhos e blá blá blá.
 Dentro dessa comunidade descobrimos que Adrian e Dimitri SÃO PRIMOS. ISSO MESMO BRASIL, PRIMOS. Pausa para revelação de novela mexicana.
 Nesse ponto da leitura nem fiquei mais chocada com o fato, pois já estava entediada ao extremo com todos os meus mocinhos favoritos pajeando uma personagem que nem tinha importância na história. Dentro dessa comunidade ocorre um ataque de Strigoi, Olive morre e entrega o bebê para Adrian confessando ao mesmo que Neil é o pai do garoto.
 Declan é o nome escolhido para o bebê e depois que ele nasce vira a estrela do show. Adrian não liga para mais nada, só se importa com a criança e ordena que ROSE E DIMITRI FIQUEM TOMANDO CONTA DO MENINO DURANTE VÁRIOS DIAS. ROSE E DIMITRI, GUARDIÕES REAIS DA RAINHA PAGANDO DE BABÁ DE UM RECÉM-NASCIDO QUE NINGUÉM NEM SABIA DA EXISTÊNCIA. BATE A CABEÇA NA PAREDE.
 Pior de tudo é que o Adrian em nenhum momento explica a importância da criança para ninguém, sendo revelado o motivo do bebê ser especial no último capitulo. Nem  preciso dizer como fiquei irritada com Mead fazendo a Sydney e o Adrian "adotarem" essa criança. Tanto problema para resolver, os dois tinham acabado de casar estavam começando a perceber as dificuldades de um casamento e a autora vai lá e joga uma criança pra eles cuidarem. REALLY MEAD?
 Aquela palhaçada da Alicia sequestrando a Jill para provocar a Sydney e depois todo aquele problema com os "Warriors of Light" em que o Eddie e a Sydney se disfarçaram para roubar o laptop do líder cansaram a minha beleza, já que o Adrian tinha usado seu poder para obter as informações do local do sequestro com a Alicia o que tornou o alongamento da cena meio inútil. Só depois Mead amarra o roubou do laptop com a Sydney chantageando os Alquimistas para comprar sua liberdade e resgatarem a Jill.
 A chantagem da Sydney para conseguir sua liberdade de volta foi bem fraquinha e magicamente rápida. Todos nós sabemos que os Alquimistas poderiam muito bem pegar aquela lista e descobrir quem estava fazendo coisas ilegais, porém nessa altura já estava aceitando qualquer desculpa da autora para finalizar a história.
 Devo comentar porém que a cena de resgate da Jill foi a pior da série. Em um momento digno da série "Os Instrumentos Mortais" Sydney começa a fazer feitiços, reconhecer demônios e lutar com a hidra gigantesca sozinha. Quando tudo dá errado o Adrian quase "frita" o cérebro usando espírito e só consegue voltar para a realidade quando Sydney diz que o ama, clichê mandou um beijo.
 O local em que Jill estava e a condição da garota causam um "dejà vu" nos leitores, pois a autora copia a si mesma e reescreve a cena de resgate da Sydney no centro de reeducação, originalidade mandou outro beijo.
 Finalizando o livro o epílogo assassinou todo o amor e carinho. Adrian e Sydney vivendo como meros mortais em uma casinha isolada, cuidando de Declan, trabalhando e estudando. Adrian em seu infeliz final virou professor de artes da educação infantil e em suas horas vagas ele criou o hobby de cozinhar, prevejo uma participação no masterchef em algum futuro próximo, *ironia feels.
 Sydney foi para a faculdade e conseguiu um estágio em um museu enquanto Eddie tornou-se guardião oficial de Adrian e toda sua família.
 Em clima natalino descobrimos que Rose e Dimitri também ficaram noivos e Jill e Eddie finalmente iniciaram um romance a longa distância. Importante lembrar que passou-se 1 ano na história e Sydney e Adrian assumiram Declan como seu próprio filho, inventando uma história de que Sydney ficou grávida logo após sair da reabilitação.
 Se desapontamento matasse meu corpo estaria estirado no chão. Li 12 livro para no último a autora acabar com esse desfecho terrível de romance contemporâneo. Mead matou toda a questão do sobrenatural e a obscuridade da série transformando meu Adrian em um pai de família tradicional sendo que ele é um Moroi da realeza. O epílogo parecia que tinha sido recortado de alguma novela bobinha onde tudo ficou lindo e maravilhoso em um mundo real, sendo que essa era uma série de VAMPIROS.
 Problemas como a questão da magia do espírito no sangue das pessoas desenvolvido por Stoya ou a questão de que a rainha deveria ter um parente vivo para governar entre outros problemas como a aprovação de uma lei para os Morois aprenderem a se defender sozinhos foram simplesmente esquecidas nesse epílogo de propaganda de margarina.
 Mead conseguiu destruir as essências dos personagens forçando um amadurecimento que eles não estavam prontos. Sydney perdeu totalmente suas características iniciais e em várias vezes eu sentia que a autora fazia a protagonista ser uma cópia menos "badass" de Rose, enquanto o Adrian perdeu a graciosidade que fazia dele um dos melhores personagens masculinos de todos os tempos.
 Do fundo do meu coração eu amo esses personagens e apesar dos problemas tenho um lugar especial para eles na minha vida, porém de todos os desfechos possíveis simplesmente é inaceitável o fato  da autora querer trazer realismo para uma série sobrenatural.
 Apesar de tudo ainda estou tentando superar o fato de que essa saga acabou, pois tenho certeza de que vou sentir muita saudade de acompanhar esses personagens e suas peripécias. Se apenas o final tivesse sido diferente, nesse exato momento estaria me debulhando em lágrima ao invés de estar arrancando os cabelos de frustração.


Classificação: 3 de 5 estrelas.

Leia Também

8 comentários

  1. Na verdade eu gostei do final e Tb a autora falou que vai ter continuação deve que nos próximos livros vai ter uma explicação para os fatos que ainda não foram explicados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que vc gostou do final dessa série, infelizmente eu não consegui amar esse livro. Realmente torço para a autora se animar e escrever outras obras .)

      Excluir
    2. A autora disse que vai ter continuaçao? Achei que fosse o último livro dessa saga, uma pena ela terminar essa história dessa forma...

      Excluir
  2. Oi Vitoria, que eu saiba a autora não confirmou nenhuma informação sobre a continuação dessa série. O jeito é ficar atento às novidades e torcer para Richelle Mead realmente escrever outro livro sobre esses personagens .)

    ResponderExcluir
  3. Nossa!Concordo com você! Reavaliando todo o spin-off, fiquei bem decepcionada. A cada momento sentia saudade de VA e da obscuridade e sobrenatural presente na série. Sinceramente, não engoli a Sydney. Achei que Mead quis transformar ela em uma super mulher, pq...o que ela não era capaz de fazer? Era inteligente, corajosa, tinha magia e um monte de outras coisas. Coma Rose pelo menos tinha o fato de ela ser bastante instável, ela era cheia de defeitos. E o Adrian...a autora amoleceu ele. Os livros se tornaram um romance super piegas com declarações de amor de fazer vomitar borboletas e arco-íris. Como você colocou, teve um monte de história desnecessária e temas que ficaram sem resolução. Os primeiros livros desse spin-off foram melhores, antes do romance brega da Sydrian, depois...as vezes continuei lendo por pura consideração á série. Enfim, torço pra ter uma continuação de Academia de Vampiros e que lá só tenha a Rose narrando, talvez um pouco do Dimitri, e muita ação. Talvez uma vingança de Robert Doru, ou a Roza tendo um filho e a partir dai uma confusão...Espero ler de novo sobre eles e VA terá para sempre um lugar no meu coração. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois dos 3 primeiros livros dessa série Bloodlines eu tbm só continuei com a leitura por consideração a série. Tive sérios problemas em aceitar essa nova versão do Adrian, principalmente porque adorava seu jeito problemático e sarcástico em VA. Concordo com vc sobre o romance tbm, do 4º livro pra frente ele ficou bem sem graça (na minha opinião). Sinto saudades da Rose e do Dimitri, se a autora se animasse e escrevesse uma continuação desses dois eu com certeza iria ler, VA tbm tem um lugar especial no meu coração e eu sempre lembro dessa série com um enorme carinho .) Obg pelo comentário .D

      Excluir
  4. Sinceramente depois da sua resenha eu perdi o pouco d força d vontade pra ler. Acredite, gostei muito da sua resenha, é bom quando alguem mostra que nenhum livro é perfeito. Eu não engulo dos finais da Richelle(exceto VA, ele n foi tao mal)e (me desculpe mas não me matem) eu não gosto da Sydney-talvez um pouco quando ela viaja em fuga com o Dinka e a rose- mas fora isso eu n suporto ela e deve ser por isso n tive vontade alguma d ler Bloodlines. Um final chato tbm foi Filha da tempestade. Uma historia que tinha tanto potencial terminou do jeito mais broxante possível. O mesmo posso dizer do Silêncio- me desculpe quem gostou mas eu n consegui chegar nem na metade do livro. Georgina Kincaid foi outro tbm. Que fique claro que eu amo de paixão a Georgie(ate mais que a rose) mas o final foi tipo 😪, tipo quando n se sabe oq fazer pra deixar o leitor feliz e o personagem com um final satisfatório. Mais uma vez eu digo, eu amo a Richelle e amo a maioria dos livros dela mas nem meu amor pelo Adrian me da vontade d ler Bloodlines

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que vc gostou da resenha e não se sinta sozinha com relação a não gostar da Sydney, metade dos leitores não simpatizam com a moça. Eu não tive problemas com ela, mas a série Bloodlines perdeu todo seu encanto para mim a partir do 4º livro, sendo os 2 últimos bem fracos. Eu acabei por não ler as outras séries da Richelle Mead (nem sei o pq ñ li elas), mas VA pra mim será sempre a minha série favorita de todos os tempos (mesmo ela tendo falhas e problemas). Tente ler "The Glittering Court". ele é o 1º livro de uma trilogia, porém as obras apresentam "começo, meio e fim".
      Obrigada pela visita e comentário .)

      Excluir