ligações

Resenha: Ligações - Rainbow Rowell

30.10.15


"Tem um telefone mágico no meu quarto de infância. Posso usá-lo para ligar pro meu marido no passado. (Meu marido que ainda não é meu marido. Meu marido que talvez não devesse virar meu marido.)
Tem um telefone mágico no meu quarto de infância. Eu o desliguei hoje de manhã e escondi no armário.
Vai ver todos os telefones da casa são mágicos.
Ou talvez eu seja a mágica. Mágica temporária. (Ah! Trocadilho sobre viagem no tempo!)
Isso conta como viagem no tempo? Se é só a minha voz que está viajando?
Tem um telefone mágico escondido no meu armário. E acho que está conectado ao passado. E acho que tenho que consertar alguma coisa. Acho que tenho que corrigir alguma coisa."

 "Ligações" de Rainbow Rowell foi lançado originalmente ano passado e já recebeu o prêmio de "Melhor Livro de Ficção" de 2014 pelo Goodreads. Como fã declarada da autora não pude deixar de conferir essa obra.
 Diferente de seus outros livros, "Ligações" aborda temas mais adultos ao narrar a história do casal Geogie e Neal. Logo no início da trama somos apresentados a Georgie, uma roteirista de programas de comédia que trabalha com seu melhor amigo Seth escrevendo roteiros para a sitcom Jeff'd Up enquanto seu marido Neal fica em casa cuidado de suas duas filhas Alice e Noomi.
 Casados a quatorze anos, Georgie e Neal vinham passando por algumas crises e problemas no relacionamento, portanto quando Gerogie conta ao marido que não poderá viajar com ele e as crianças para Omaha na semana de natal todas as dificuldades do matrimônio ressurgem para questionar o casal.
 Georgie recusou a viagem em família, pois finalmente a emissora para a qual trabalhava ofereceu-lhe a oportunidade de criar sua própria série de comédia. Portando, devido à prazos e datas curtas, ela deveria passar toda a semana do natal trabalhando com Seth na criação dos episódios, atrapalhando assim seus planos com a família.
 Ao contar para o marido sua escolha, Neal resolve viajar sozinho com as meninas deixando Georgie paranoica sobre se havia estragado irremediavelmente seu casamento com essa decisão.
 Após todo esse conflito inicial, começam as dificuldades e desencontros de comunicação entre o casal. Georgie nunca conseguia conversar com Neal pelo celular (que estava com problemas de bateria) fazendo o marido tornar-se praticamente inalcançável, até o dia em que vai à casa de sua mãe e resolve utilizar seu antigo telefone fixo amarelo.
 Ao ouvir a voz de Neal pelo antigo aparelho que eles usavam para se comunicar no início do relacionamento, Georgie fica aliviada ao perceber que o marido não tinha terminado o casamento e ainda a amava, porém após alguns minutos de conversa nossa protagonista descobre estar falando com o Neal de 1998 e não o seu atual marido, desencadeando e misturando problemas do passado e do presente.

ligeiramente casados

Resenha: Ligeiramente Casados (Os Bedwyns #1) - Mary Balogh

22.10.15


" - Uma coisa sobre os Bedwyns - falou Aidan - é que não amam facilmente, mas quando amam é com muita intensidade. Ninguém imaginaria isso ao nos conhecer, não é mesmo?"

 "Ligeiramente Casados" de Mary Balogh é o primeiro romance de época da série "Os Bedwyns" composta originalmente por seis livros. Aqui no Brasil, a Editora Arqueiro, já publicou três volumes dessa saga e eu estou contendo a ansiedade para não comprar as duas obras remanescentes nesse exato momento.
 Antes de começar a resenha, sinto-me na obrigação de tranquilizar a todos e avisar que não escreverei nenhum spoiler durante esse texto. Então leitores ou não leitores do livro, convido todos vocês à seguirem em frente comigo para descobrirem o quanto essa obra é perfeita.
 A narrativa de "Ligeiramente Casados" inicia-se com o encontro entre Aidan Bedwyn e o capitão Percival Morris que encontrava-se à beira da morte, ferido no campo de batalha ao lutar pela vitória da Inglaterra em mais uma guerra interminável.
 Morris havia salvado a vida de Bedwyn em uma outra outra ocasião e como pagamento dessa eterna dívida, Aidan promete atender aos últimos desejos do falecido que pediu à seu oficial superior para avisar a irmã mais nova sobre sua morte e protegê-la acima de qualquer custo.
 Com toda sua honra e dever Aidan parte à procura de Eve Morris, que morava e administrava o Solar Ringwood, para contar-lhe a triste notícia e oferecer sua ajuda e proteção. Porém Eve mostra ser uma moça forte e orgulhosa ao recusar qualquer tipo de auxílio do coronel.
 Sentindo-se inútil por não poder cumprir a promessa feita a Percival, Aidan resolve investigar a vida da moça de maneira a descobrir que o Solar Ringwood passará para um primo distante de Eve, já que na herança deixada pelo pai a filha mais nova só poderia ser dona da propriedade caso estivesse casada.
 Ao descobrir esse problema, Aidan propõe imediatamente um casamento de conveniência entre ele e Eve, de modo a cumprir sua promessa protegendo a garota. Apesar de relutante, Eve concorda com o pedido e ambos estipulam que não se veriam mais depois da cerimônia, tornando o matrimonio restrito as documentações legais.
 Apesar do plano perfeito, o duque de Bewcastle e irmão mais velho de Aidan atrapalha a felicidade dos mocinhos ao exigir que Eve seja apresentada formalmente à Rainha da Inglaterra e à aristocracia da sociedade, já que a mulher de Aidan era agora o mais novo membro da família Bedwyn.
 Após a intervenção do duque, todos os planos de um casamento estritamente prático e sem envolvimento ou sentimentalismo são destruídos, forçando Aidan e Eve a encararem situações e emoções difíceis de resolverem.

jenny han

Resenha: P.S.: Ainda Amo Você (Para Todos os Garotos que Já Amei #2) - Jenny Han

15.10.15


 "P.S I Still Love You" de Jenny Han é o segundo livro da série "Para Todos os Garotos que Já Amei", lançado esse ano no Brasil pela editora Intrínseca. Se você não leu ainda o primeiro volume, pare tudo que estiver fazendo e vá ler o livro mais fofo da sua vida. Realizada a leitura, volte para essa resenha e descubra as aventuras vividas por Lara Jean na sequência desse romance adolescente.
 Em "P.S I Still Love You" Jenny Han inicia a narrativa partindo do desfecho de "Para Todos os Garotos que Já Amei". Então vemos Lara Jean resolvendo os problemas que ficaram pendentes no livro anterior, como seu relacionamento com Peter Kavinsky, sua amizade com Josh, a reconciliação com Margo e várias outras questões relacionadas as cartas de amor que foram enviadas e alguns problemas pendentes com os amigos do colégio.
 Porém entre as resoluções das confusões ocorridas no livro anterior, um novo menino aparece para complicar ainda mais a vida de Lara Jean. John Ambrose McLaren foi o último garoto a receber uma carta de amor de Lara Jean e o único a não responder ou devolver a carta à garota.
 Lara Jean praticamente já tinha esquecido a correspondência perdida até o dia em que John escreve e envia uma resposta à ela, desencadeando assim uma série de problemas e questões do passado que voltam à tona para bagunçar o coração de Covey e mexer com os sentimentos e lembranças de todos os colegas do colégio.
 Com uma temática simples, o enredo de "P.S I Still Love You" resume-se nesse conflito principal, baseando-se na formação de casais e seus antigos e novos amores. Como acontecimento secundário e novo é apresentado ao leitor o emprego de Lara Jean em uma casa de repouso e seus novos amigos, como Stormy que é uma das residentes mais espirituosas do asilo.
 Pode-se dizer que poucas coisas inéditas acontecem nesse livro o que torna a leitura tediosa em alguns momentos. Diferente do primeiro livro da série que entrou para minha lista de favoritos "P.S. I Still Love You" ganhou uma classificação relativamente baixa e me desapontou bastante com relação ao desenvolvimento da história e sua inutilidade como obra sequencial.
 Nesse exato momento irei comentar alguns pedaços do livro, o que pode estragar um pouco a história para você que ainda não leu essa obra. Não considero nenhuma informação que citarei nessa resenha como spoiler, já que nada revelador ocorre durante a narrativa, porém isso é uma opinião pessoal minha. Aviso dado, vamos seguir em frente que eu preciso expressar minha revolta com a protagonista e alguns acontecimentos desse livro.

all the bright places

Resenha: Por Lugares Incríveis (All The Bright Places) - Jennifer Niven

8.10.15


 "Por Lugares Incríveis" ou "All The Bright Places" de Jennifer Niven foi um dos lançamentos mais comentados de 2015 e eu, como sempre apressada, garanti meu exemplar em inglês logo no começo do ano. Portanto antes de começar a resenha crítica gostaria de avisar que todas as frases e citações do livro estarão em língua inglesa e que esse texto não terá spoilers, então leitores ou não leitores da obra podem prosseguir tranquilamente com a leitura dessa resenha.
 O primeiro livro "jovem adulto" de Niven conta a história de Violet e Finch, dois adolescentes unidos por uma situação pouco convencional, já que ambos se encontram pela primeira vez na torre mais alta do colégio com a intenção de cometerem suicídio.
 O que leva os protagonistas a quase se jogarem da torre é o fato de que Eleanor, a irmã mais velha de Violet, morreu em um acidente de carro e a jovem ainda não conseguiu superar a perda da outra garota. Já no caso de Finch vários fatores e problemas ocorridos no decorrer de sua vida, proporcionaram e impulsionaram o garoto a pensar frequentemente em vários métodos distintos para tirar a própria vida. 
 O início do livro é marcado por essa cena e o relacionamento entre Violet e Finch se desenvolve a partir desse momento, já que ambos pertenciam a diferentes "grupos" dentro do colégio e não eram amigos. Violet sempre foi a menina popular, ela e sua irmã faziam toda e qualquer atividade juntas, inclusive eram donas de um blog onde escreviam sobre garotos, roupas e maquiagens. Já Finch sempre foi o menino esquisito e intitulado como louco por todos os outros adolescentes, sendo que sua fama de anormal só cresceu com o passar do tempo.
 O enredo da obra gira em torno do último ano do  ensino médio e enquanto Violet conta os dias para sair do estado de Indiana, Finch conta os dias em que está "acordado", pois o garoto sofreu um grande "apagão" durante várias semanas e estava tentando se recuperar e manter-se desperto.
 Após o encontro na torre do colégio, Finch e Violet unem-se (inicialmente contra a vontade da garota) em um projeto para a aula de geografia que propunha aos garotos visitarem as maravilhas de Indiana, dando assim início as aventuras dos garotos,
 Apesar do enredo simples, a narrativa de Jennifer Niven é extremamente complexa e ouso dizer cansativa, pois a autora usa como "plano de fundo" fatos normais ocorridos no colégio para aprofundar-se em questões profundas e psicológicas sofridas pelos protagonistas. 
 Portanto não deixe a capa bonitinha do livro te fazer pensar que essa é mais uma obra leve e descompromissada, pois os temas e conteúdos abordados pela autora são fortes e sem nenhum tipo de encantamento ou abordagem delicada.

"The thing I don't say is: I want to stay alive. The reason I don't say it is because, given that fat folder in front of him, he'd never believe it. And there's something else he'd never believe - I'm fighting to be here in this shitty, messed-up world. Standing on the ledge of the bell tower isn't about dying. It's about having control. It's about never going to sleep again."