sábado, 26 de dezembro de 2015

Resenha: Cold-Hearted Rake (The Ravenels #1) - Lisa Kleypas



 "Cold-Hearted Rake" é o mais novo romance de época da minha querida autora Lisa Kleypas, essa obra marca o início da série "The Ravenels" e apresenta ao leitor todos os membros dessa nova excêntrica família literária. 
 O primeiro livro dessa série irá acompanhar o romance entre a viúva Kathleen e Devon Ravenel. Logo no início da narrativa o leitor descobre que o marido de Lady Trenear, Theo Ravenel, faleceu tragicamente após sofrer uma queda de um cavalo durante seu passeio matinal. Após sua triste perda, a viúva e as três irmãs de Theo descobrem que toda a herança da família irá parar nas mãos de um primo distante, sendo Devon Ravenel o mais novo responsável por cuidar das propriedades, fortunas e destinos dessas quatro moças desamparadas.
 Devon e seu irmão mais novo West são dois libertinos irremediáveis e a última coisa que desejam é herdar qualquer tipo de responsabilidade e é exatamente esse o motivo que fazem os irmãos quererem vender imediatamente Eversby Prior, a propriedade rural e ultrapassada que Theo e sua família habitavam.
 Desesperados para se livrarem desse fardo indesejado, os irmãos vão até a propriedade negociar sua venda, porém nos poucos minutos de estadia, Devon conhece Kathleen e imediatamente suas intenções de ficar alheio aos problemas de Eversby Prior vão por água abaixo.
 Extremamente parecido com o primeiro livro da série "Os Hathaways", esse novo livro da Lisa Kleypas diferencia-se por apresentar uma família onde todos apresentam problemas de temperamento explosivos. Theo era tão irritante com sua personalidade estressada que nem mesmo as irmãs e sua esposa sofreram muito sua perda. 
 Os outros membros da família como Devon; West; Helen (a irmã mais velha) e as gêmeas Cassandra e Pandora sofriam o mal de serem nervosos e irritados ao extremo e no caso de Devon essa característica era agravada pelo fato dele ser um canalha que não tinha intenção de casar, ter filhos ou apaixonar-se por alguma mulher.
 Após cinco anos sem lançar nenhum romance de época, Lisa Kleypas decepciona imensamente os leitores com essa obra. Com poucos elementos originais e protagonistas irritantes, o leitor tem que respirar fundo várias vezes para prosseguir com a leitura.
 Em um momento de honestidade, informo que a partir do próximo parágrafo irei realizar uma resenha negativa desse livro (talvez ofender um pouco o mocinho e a mocinha) e positivamente contar tudo aquilo que me irritou durante a leitura dessa obra, portanto essa resenha terá spoilers.
 Antes de me exaltar, preciso dizer que eu adoro a escrita da Lisa Kleypas e que esse livro foi uma exceção à regra. Se você não está familiarizado com a autora recomendo a leitura do livro "Segredos de Uma Noite de Verão" (para ler todo o meu amor por essa obra é só clicar no nome do livro), garanto uma leitura prazerosa e divertida. 
 Agora convido todos a lerem o resto da resenha e compartilharem minha frustração com esses protagonistas teimosos e muitas vezes irritantes.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Resenha: Apenas Um Dia - Gayle Forman


 Um fato que precisa estar claro na mente de todos os seres humanos é que: Gayle Forman é uma das melhores autoras de livros jovens adultos nesse mundo. Como diria Jane Austen, isso "é uma verdade universalmente conhecida" e incontestável. 
 "Apenas Um Dia" é mais uma obra de Forman que foi executada com a maestria de uma sinfonia perfeita, pois todos os elementos encaixam-se impecavelmente para compor a história de Allyson e Williem.
 Nossa heroína é a típica garota certinha, organizada e sistemática. Aos dezoito anos, Allyson ganha de presente de formatura do ensino médio, um pacote de viagens para conhecer todos os países da Europa com sua melhor amiga Melanie.
 Com idade para beber e aproveitar todas as festas e bares europeus, Allyson segue à risca todas as regras estipuladas pelos monitores e em nenhum momento foge das atividades planejadas previamente no itinerário da viagem, porém algo desperta na garota ao encontrar um rapaz misterioso enquanto estava na fila de um teatro londrino para assistir à peça Hamlet de Shakespeare.
 O desconhecido (alto, louro e de olhos castanhos escuros) aborda Allyson e Melanie com um panfleto convidando-as para assistirem Noite de Reis, outra peça shakespeariana que está sendo apresentada por ele e outros garotos de sua companhia teatral. 
 Em um momento aventureiro, Allyson convence sua amiga a mentir para a superiora da viagem e ambas embarcam nessa viagem ao ao livre com um menino desconhecido e sua reinterpretação de Shakespeare.
 A aventura noturna que deveria ter durado apenas algumas horas, estende-se no trem que as garotas embarcam para voltarem ao lar. Durante o café da manhã, Allyson encontra o misterioso menino, cujo nome ela descobre ser Willem e a conexão entre ambos é instantânea (também quem não iria identificar-se com uma garoto cuja comida preferida é pão e nutella?).
 Pronta para dizer adeus ao desembarcar do trem, nossa heroína vê um painel de embarque para Paris e lamenta-se com Willem sobre não ter conseguido conhecer o país que mais queria durante seu tour e são nesses rápidos segundos de insatisfação que a garota não hesita em aceitar o convite de nosso mocinho para aventurar-se com ele em apenas um dia na capital do amor.
 Resta saber se apenas um dia será suficiente para Allyson e Willem descobrirem e encontrarem tudo aquilo que procuram. Apesar do período limitado de tempos juntos, as consequências dessa primeira aventura perdurarão em Allyson por mais de um ano, fazendo a garota repensar toda sua vida e futuro.
 Sinto informar que a partir do próximo parágrafo essa resenha terá spoilers, necessito comentar sobre alguns trechos desse livro e expor todo meu sentimento com relação ao final da obra. Portanto se você não leu "Apenas Um Dia" recomendo sua leitura imediatamente, Gayle Forman escreve uma história extremamente verossimilhante e cativante na qual o leitor identifica-se com a protagonista e seus dilemas, então leiam a obra e voltem para ler a resenha. Já você que leu esse livro, está cordialmente convidado à prosseguir na leitura do próximo parágrafo. 

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Resenha: The Beatles: A história por trás de todas as canções - Steve Turner


"Quase quarenta anos depois de os Beatles terem parado de tocar juntos, suas canções ainda significam muito para nós. Para aqueles que cresceram com eles, são como antigos amigos que nunca cansamos de encontrar. Como iluminaram a nossa vida e talvez tenham até ajudado a despertar nossa curiosidade intelectual e espiritual, nossos sentimentos em relação a eles são sempre afetuosos. Descobrir de onde vieram nos ajuda a descobrir de onde nós mesmos viemos"

 Com o triste fim da editora Cosac Naify e a loucura da Black Friday o livro "The Beatles: A história por trás de todas as canções" de Steve Turner tornou-se um item essencial em minha vida e eu tive que comprá-lo imediatamente.
 Contando literalmente a história por trás de cada composição já criada pelos integrantes da banda, essa obra apresenta ainda fotos inéditas da trajetória do grupo e de outros artistas da época o que ocasionará na primeira resenha ilustrativa desse blog. Então continue na resenha para apreciar esse maravilhoso material exclusivo e editado no Instagram, já que minha habilidades de fotógrafa são limitadas.
 Antes de ler esse livro, ressalto a importância de fazer uma sugestão ao leitor para entrar em contato com alguma obra bibliográfica do grupo, pois o autor presume que o leitor já possui algum conhecimento prévio sobre os fatos e acontecimentos que marcaram o desenvolvimento do grupo. Caso você não tenha paciência para as gigantes antologias publicadas, procure um resumo da história da banda na internet e depois leia essa obra.
 Com o foco apenas nos álbuns e composições, Steve Turner inicia sua obra contando sobre o disco "Please Please Me". O primeiro lançamento musical dos Beatles foi marcado pelas famosas "canções chicletes" para conquistar o público, principalmente o feminino. Como todo início de carreira, é possível identificar as dificuldades de John Lennon e Paul McCartney em criar canções substanciais para o grupo, já que a preocupação da gravadora era exclusivamente comercial.
 Com a evolução do grupo, foi possível notar o aumento de composições dos cantores no álbum "With the Beatles" até alcançarem o sonho de ter um disco de autoria própria em "A Hard Day's Night" onde os problemas amorosos de Paul e a influência materna em John criaram letras dignas de análises literárias pelos críticos da época.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Resenha: A Espada do Verão (Magnus Chase e os Deuses de Asgard #1) - Rick Riordan


 Conhecido mundialmente pela série "Percy Jackson e os Olimpianos", "A Espada do Verão" é o mais novo livro do famoso escritor Rick Riordan e marca o início da nova saga intitulada "Magnus Chase e os Deuses de Asgard".
 Como uma forma de interligar suas obras fictícias, Magnus Chase é primo de Annabeth Chase a companheira fiel de Percy Jackson. Porém diferente dos Olimpianos enfrentados pela garota, Magnus depara-se com os brutos deuses nórdicos e toda a mitologia sobre Vikings que envolve esse universo desconhecido.
 Seguindo seu estilo habitual de escrita, "A Espada do Verão" conta basicamente como Magnus entrou em contato com esse novo mundo. O livro inicia-se com o garoto morando na rua após tornar-se órfão com a perda de sua mãe. Contando apenas com a ajuda de outros dois garotos Blitz e Hearthstone para poder arranjar comida, locais para dormir, tomar banho e principalmente fugir de qualquer pessoa que possa lhe causar problemas, como seu tio Randolph.
 Antes de morrer, a mãe afastou o garoto de todos os membros da família e mesmo não entendendo o motivo desse distanciamento, Magnus passou a fugir de todos os seus familiares. Portanto ao ser avisado que uma garota loura e um homem mais velho o estavam procurando, o menino entra em pânico e começa a fugir desesperadamente apenas para encontrar seu tio Randolph que prontamente diz à Magnus que pessoas o estão perseguindo para matá-lo já que ele havia completado dezesseis anos.
 O que o tio "doidinho" da família não explica é o motivo de um gigante, uma Valquíria e quase metade dos guerreiros do Valhala estarem perseguindo o garoto, fato que ocasiona uma grande confusão na cidade de Boston e dá início ao enredo da narrativa.
 Essa resenha não terá nenhum tipo de spoiler, porém preciso adiantar que ela será levemente negativa já que tive alguns problemas com a leitura desse livro e pretendo explicá-los nos parágrafos seguintes. Portanto leitores ou não leitores da obram sintam-se convidados a prosseguir na leitura da resenha.