quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Resenha: Six Of Crows - Sangue e Mentiras (Six of Crows #1) - Leigh Bardugo


“No mourners. No funerals. Among them, it passed for 'good luck.” 

 Leigh Bardugo era uma dessas autoras que estavam na minha lista de auto-rejeição, pois eu detestei "Sombra e Ossos" e todo o universo Grisha que a escritora havia criado em sua famosa trilogia. Portanto, quando "Six Of Crows" foi lançado eu tinha 0% de vontade de ler esse livro (pensava: "dane-se que o universo inteiro está amando essa obra, você não vai ler mais dois livros de uma trilogia chata só para poder ler "Six Of Crows").
 E foi com esse pensamento pequeno e limitado que eu passei 1 ano da minha vida sendo privada da maravilhosidade que é essa obra escrita por Leigh Bardugo (não ia ser trouxa, fui trouxa). "Six Of Crows" foi um dos melhores livros que li esse ano, apaixonei-me tanto pela escrita; pelos personagens e universo criados pela autora que estou seriamente pensando em dar uma nova chance à trilogia Grisha (por que eu realmente não tive coragem de finalizar essa saga, o que não prejudicou em nenhum momento o entendimento ou a leitura desse livro #ficaadica).
 Sem mais delongas, vamos a breve sinopse do livro. "Six Of Crows" basicamente conta a estória de 6 adolescentes "criminosos" que moram em Ketterdam, uma zona onde o dinheiro é o foco principal e tudo é resolvido por meio de lutas entre gangues.
 Kaz Brekker é um dos principais lideres desse local e portanto, quando o comerciante Jan Van Eck encontra-se em um gigantesco problema envolvendo os Grishas e uma droga poderosa e desconhecida que pode desencadear uma guerra entre os povos, o homem prontamente convoca Kaz para solucionar seus problemas.
 Incumbido de resgatar um prisioneiro dentro de uma das prisões mais protegidas do mundo, Brekker forma/reúne sua gangue e juntos eles embarcam em uma missão praticamente suicida. Contudo, caso eles conseguissem realizar tudo aquilo que foi estipulado por Van Eck os meninos de Ketterdam receberiam dinheiro suficiente para recomeçarem suas vidas.
 Com uma premissa supostamente simplória, Leigh Bardugo surpreende o leitor ao apresentar um universo fictício complexo e extremamente bem elaborado, não há sequer uma falha na execução do enredo e andamento da narrativa e a autora ainda complementa essas qualidades com sua escrita impecável.
 Fazia anos não me deparava com uma escrita tão perfeita como a de Bardugo, a escritora conseguiu a proeza de criar uma obra com 5 pontos de vista distintos e contar a estória de vida de todos os personagens, sem uma ordem cronológica definida, da maneira mais poética e metafórica possível. Sua sutileza e graciosidade ao narrar os fatos marcantes na vida de Kaz, Inej, Nina, Jesper, Matthias e Wylan me fizeram ficar ainda mais envolvida com os personagens e eu confesso que ri e até mesmo chorei (só um pouquinho) em alguns capítulos. 
 Não bastasse a autora dominar a arte da coesão e coerência dentro do texto, ela ainda conseguiu criar 6 personagens distintos uns dos outros e isso já foi suficiente para conquistar meu coração, pois ultimamente vários autores estão escrevendo livros com trocentos mil personagens e nenhum deles são memoráveis (tem livro que eu esqueço até os nomes dos protagonistas).
 Porém em "Six Of Crows" cada um dos protagonistas apresentam características e personalidades marcantes. Mesmo tendo um favoritismo pela Inej e o Kaz (I will go down with this ship) é impossível não se apegar com os outros e aproveitar ao máximo os diálogos e interações de toda a gangue. 
 A comunicação entre todos esses seres humanos perfeitos resume tudo aquilo que é esperado (ou pelo menos eu espero) em livros de fantasia. Adorei ler como cada um desses garotos estavam prontos para ajudarem uns aos outros e em nenhum momento da narrativa eles abandonaram o coleguinha em alguma situação arriscada para salvar a própria vida. Eles literalmente fizeram jus ao juramento de mosqueteiro e foi lindo ler os laços e valores que uniam esse grupo disfuncional.
 Todavia nem toda a escrita perfeita e personagens excelentes sobreviveriam em um enredo pobre (acreditem, já li livros onde o escritor tinha esses dois elementos e zero de criatividade para a trama). Porém Leigh Bardugo dá um tapa na cara da sociedade ao criar um enredo ágil, diferente e inovador. O leitor sentia-se como um espectador assistindo a um show de mágica ao ler as peripécias que esse grupo fazia para saírem das situações mais complicadas possíveis (sem falar que o cenário à la "Piratas do Caribe" foi uma mudança bem-vinda dentro desse gênero).
 Fiquei ainda mais abismada com a capacidade da autora em criar casais tão verídicos e ao mesmo tempo omitir da trama o principal elemento do romance, que são as interações físicas entre os pares. A descrição de sentimentos que cada personagem nutria um pelo outro foram tão intensas que o leitor apaixonava-se por esses relacionamentos fictícios como se eles fossem reais (quem nunca?). 
 Isso serve para destacar a maturidade que permeia essa obra, pois mesmo os protagonistas sendo adolescentes de dezesseis/dezessete anos eles não eram bobos ou agiam como desmiolados (amém).
 "Six Of Crows" é essencialmente um guia de todos os elementos que eu espero ler em um livro de fantasia (Sabaa Tahir podia aprender muito com esse livrinho). Uma obra ágil e repleta de ação; com um enredo bem construído e personagens maduros que se desenvolvem no decorrer da narrativa. A autora não fica presa à premissa básica do livro e cria paralelamente várias outras estórias para complementar mais ainda esse universo fantástico.
 "Crooked Kingdom" provavelmente será minha próxima leitura e eu ficarei de ressaca literária até 2017 com o final dessa duologia. Em suma: LEIAM "SIX OF CROWS" E VENHAM REBLOGAR FAN ART COMIGO NO TUMBLR.


Classificação: 5 de 5 estrelas + <3

Um comentário:

  1. Oie, tudo bem?

    Gostei de ler sua impressão sobre o livro, e o que mais chama a atenção é justamente um livro ter sido tão bom ao ponto de anular a autorejeição e a vontade 0 que você tinha de ler o livro, por outra leitura da mesma autora.
    Isso é uma situação que só algo muito mais forte que ela pode reverter.
    E quando um livro é forte o suficiente, gera vontade nos outros leitores de lerem também.

    Parabéns pela resenha.

    Beijos.
    Alana Marques
    colecionadoresdelivross.blogspot.com

    ResponderExcluir