Resenha: Pecados No Inverno (As Quatro Estações do Amor #3) - Lisa Kleypas

4.2.17

*Clique no título da obra para ler a resenha de  "Segredos de uma Noite de Verão"*

 Coloquem a música de abertura da "Maria do Bairro" no youtube, peguem seus lencinhos, arrumem um assento confortável e venham aproveitar esse novelão mexicano que foi "Pecados no Inverno" da Lisa Kleypas.
 Estava eu na famosa ressaca literária, quando resolvi apelar para os romances de época novamente. Sem muita paciência para a estória da Lillian (que era narrada no 2º livro dessa série), resolvi ignorar a ordem cronológica da saga e aventurar-me pela vida de sofrimento levada por Evangeline Jenner.
 Evie, faz parte do famoso quarteto das solteironas (as quais nem podem mais receber esse título, pois a maioria das moças já se casaram). Apesar de ser esguia e ter longos cabelos ruivos, a moça não conseguia arrumar um marido de jeito nenhum.
 Para complicar ainda mais sua situação, Evie também era gaga e tinha uma família horrível que estava forçando a moça a casar-se com seu próprio primo no intuito de receber seu dote milionário (spoiler alert: nossa heroína era extremamente mal-tratada dentro do lar, chegando a receber constantes agressões físicas de seu tio e até mesmo primo).
 Eis que vendo-se desesperada para sair dessa situação, Evie encontra Sebastian (mais conhecido como St. Vincent) e o pede em casamento. Porém, o pedido não foi nada romântico, já que a mocinha queria apenas sair legalmente das mãos de sua família e o único modo disso acontecer seria pelo matrimônio.
 Sebastian, que era um libertino devasso, porém financeiramente sem dinheiro algum no banco, logo aceita a oferta da moça (quem nunca?). E juntos eles casam-se rapidamente e iniciam sua jornada como marido e mulher em um relacionamento estreitamente "profissional" (*insira emoji de carinha piscando*). E nem precisa ser oráculo para saber o que irá acontecer no decorrer do livro, não é mesmo? 
 Porém, "Pecados No Inverno" apesar de previsível, foi uma leitura bastante agradável. Lisa Kleypas escreveu o famoso romance "de trás para frente", ou seja logo no início os mocinhos se casam; depois tem relações físicas; depois se beijam; depois se conhecem e por último apaixonam-se (desculpe-me pela repetição da palavra "depois", prometo fazer melhor em outra resenha).
 E mesmo detestando quando as cenas picantes acontecem logo no início da obra, não fiquei incomodada com isso nesse livro. A autora não usa o fato do casal protagonista já ter tido relações íntimas de forma pejorativa (pois, tem autoras que aproveitam o ocorrido para enfiar trocentas mil cenas de sexo no decorrer da narrativa), Kleypas realmente cria um romance entre eles após essa primeira cena.
 Como romântica incurável que sou, adoro ler esse trajeto de libertinos regenerados que descobrem que amam suas esposas e não querem mais olhar para nenhuma outra mulher na vida deles (como as coisas são lindas nos mundos fictícios não é mesmo? *suspira*). Então Sebastian, mesmo sendo rude em alguns momentos da narrativa, acabou ganhando minha simpatia.
 Outra coisa que adoro nos livros da Lisa Kleypas são os vilões e conflitos que ela cria. Então nesse livro aconteceu de tudo um pouco para atrapalhar a felicidade do casal, teve cenas dignas de roteiros de novelas mexicanas (saiu parente louco de todos os lugares possíveis). E o mais legal desse livro foi a aparição do Cam Rohan, o cigano libertino de "Desejo à Meia-Noite" (mesmo não sendo fã do rapaz, confesso que adoro esses crossovers entre séries).
 Meu único problema com esse livro foi o desfecho. Ainda que fosse visível o fato dos personagens nutrirem um sentimento mútuo de carinho entre eles, a autora parece que apressou um pouco as coisas e tem-se a sensação de que o livro termina na melhor parte (quando pensei: "opa, agora o negócio vai ficar bom", o livro acabou #chateada).
 Pela quantidade de antagonistas que a obra apresentava, acredito que a autora poderia ter explorado melhor alguns conflitos, por exemplo fazer a tia de Evie raptar efetivamente a moça ou o primo dar um jeito de anular o casamento da garota com Sebastian e várias outras maldades que poderiam complementar a trama antes de seu desfecho (eu sei que teve maldades no decorrer da trama, porém esperava algum conflito grandioso antes do final).
 Também confesso que não consegui me apegar com os mocinhos do jeito que queria, gostei deles, porém senti que não houve nenhuma característica marcante que me fizesse amá-los com todo meu coração de leitora sensível. Como diz o dito popular, esse casal estava igual chuchu: "nem cheira, nem fede".
  Portanto, conclui-se que "Pecados No Inverno" é um romance extremamente fácil de ler e promete distração e entretenimento garantido. Não é o melhor de seu gênero, porém quem gosta de romance de época irá apreciar a leitura. Afinal, é impossível resistir ao charme de um bom libertino, não é mesmo?


Classificação: 3 de 5 estrelas

Leia Também

0 comentários